Danilo Alvim (ex-Vasco): treinador da Seleção Boliviana campeã da Copa América de 1963

Danilo Alvim (ex-Vasco), que ficou conhecido como “o príncipe”, pelo seu estilo de jogo elegante, foi campeão da Copa América de Seleções de 1949 pela Seleção Brasileira (como jogador do Vasco) e após a carreira de jogador, foi campeão da Copa América como treinador da Seleção da Bolívia, naquele que foi o único título sulamericano do futebol boliviano, entre Seleção e clubes.

A turma do caroço: “a democracia vascaína”

Muito antes da democracia corinthiana, décadas antes, na época do Expresso da Vitória, a locomotiva vascaína era comandada por Flávio Costa, as decisões sobre contratações de jogadores, eram tomadas após o treinador consultar o elenco, em reunião com “a turma do caroço”, bem como era uma forma de unir o elenco e debater melhorias na equipe. Barbosa, Augusto e Ademir de Menezes eram os líderes daquele timaço histórico. A chegada de Heleno de Freitas como reforço da colina teria sido previamente acertada com o grupo, devido à fama de temperamento forte mesclada com genialidade em campo do jogador. Foi a época da “democracia vascaína”.

As semelhanças dos gols de Bismarck (pela Seleção Brasileira) e de Sorato (pelo Vasco)

Em 1989, o gol do vascaíno Bismarck diante da Seleção do Japão, na vitória da Seleção Brasileira por 1 a 0, em São Januário e o gol de Sorato, em pleno Morumbi, na vitória vascaína diante do São Paulo na final do Campeonato Brasileiro daquele ano, tiveram muitas semelhanças, ambos de lançamentos vindos da lateral direita e com cabeçadas firmes na bola, para baixo, sem chance para os goleiros das equipes adversárias.