A bandeira náutica do Vasco (símbolo do esporte fundador do clube: o remo)

Desde a origem do Clube de Regatas Vasco da Gama, em 1898, o clube ostentava a sua bandeira náutica, um símbolo do esporte fundador do clube: o remo. Em 2018, o Gigante da Colina resolveu reutilizar este símbolo tão importante e histórico, que voltou a ser estampado na sede náutica do Vasco da Gama. Na representativa bandeira, a âncora, a bóia salva-vidas, o croque e o remo, as iniciais VG e a Cruz de Cristo (em vermelho) ao centro da faixa branca e, ao redor do restante da bandeira (em preto), o nome Club de Regatas Vasco da Gama (em branco e vermelho).

O “Tufão da Colina” na Taça Guanabara do ano 2000: campeão invicto e de forma avassaladora

Campanha magistral do Vasco da Gama na conquista de forma invicta da Taça Guanabara de 2000. Foram 11 jogos disputados, com 10 vitórias e 1 empate, 35 gols a favor (uma média de mais de 3 gols feitos por partida) e 5 apenas gols sofridos (uma média inferior a 0,5 gol sofrido por jogo), um impressionante saldo positivo de 30 gols (em apenas 11 jogos). O Vasco foi campeão com 31 pontos ganhos, seguido pelo Botafogo (26 pontos), Flamengo (23 pontos), Americano (16 pontos), Fluminense (13 pontos), Madureira (13 pontos), Olaria (13 pontos), América (11 pontos), Bangu (11 pontos), Friburguense (11 pontos), Volta Redonda (6 pontos), Cabofriense (5 pontos). O Vasco foi campeão com quase o dobro de pontos do quarto colocado (31 a 16) e 6,2 vezes mais pontos do que o último colocado (31 a 5). O Gigante da Colina venceu a competição com 5 pontos a mais que o Botafogo, 8 pontos a mais que o Flamengo, 18 pontos a mais que o Fluminense e 20 pontos a mais que o América. Uma campanha extraordinária.

Vasco da Gama: clube do Rio de Janeiro com mais participações nas 3 principais competições nacionais

Vasco da Gama (88 participações no Campeonato Brasileiro/Copa do Brasil/Supercopa do Brasil):

57 participações no Campeonato Brasileiro: Série A (53 vezes), Série B (4 vezes); 30 participações na Copa do Brasil; 1 participação na Supercopa do Brasil.

Botafogo (87 participações no Campeonato Brasileiro/Copa do Brasil):

59 participações no Campeonato Brasileiro: Série A (56 vezes), Série B (3 vezes); 28 participações na Copa do Brasil.

Fluminense (82 participações no Campeonato Brasileiro/Copa do Brasil):

57 participações no Campeonato Brasileiro: Série A (55 vezes), Série B (1 vez), Série C (1 vez); 25 participações na Copa do Brasil.

Flamengo (82 participações no Campeonato Brasileiro/Copa do Brasil/Supercopa do Brasil):

56 participações no Campeonato Brasileiro: Série A (56 vezes); 25 participações na Copa do Brasil; 1 participação na Supercopa do Brasil.

Revista do Vasco: dos anos 1940 à década de 2010, o principal veículo de comunicação oficial do Vasco da Gama com a sua torcida

Desde os anos 1940 (época do Expresso da Vitória e do primeiro título continental do Vasco da Gama, que venceu o Sulamericano de Clubes Campeões de 1948) até a década de 2010, o principal veículo de comunicação oficial do Vasco da Gama foi a Revista do Vasco, que retratava não apenas o futebol vascaíno, mas também as outras modalidades históricas do Machão da Gama. Nesse período, houve alguns intervalos em que a Revista deixou de ser impressa, mas com certeza foi o principal meio oficial de divulgação da história do Vasco antes da popularização da internet e do surgimento do site oficial do Clube de Regatas Vasco da Gama e da Vasco TV, outra plataforma de divulgação oficial disponível para a torcida do Gigante da Colina.

São Januário: um dos estádios mais emblemáticos da história

Grandes acontecimentos da história de São Januário, Estádio do Clube de Regatas Vasco da Gama:

Inauguração de São Januário (1927): contou com a presença do presidente Washington Luís,

Festa de Natal para 6 mil crianças (1927),

Comemorações cívicas do Dia do Trabalho (décadas de 1940 e de 1950),

Comemorações cívicas do Dia da Independência do Brasil (década de 1940),

Discursos de Getúlio Vargas (década de 1940 e início da década de 1950),

Discursos de Eurico Gaspar Dutra (presidente do Brasil de 1946 a 1951),

Juscelino Kubitschek (JK) em São Januário (nos anos de 1956 e de 1957),

João Goulart em São Januário (na década de 1940, como Ministro do Trabalho e Emprego do Governo de Getúlio Vargas e em 1956 e em 1957, era o vice de Juscelino Kubitschek),

Discurso de Luís Carlos Prestes (1945),

Palco de concertos musicais e de uma apresentação do coral regido por Heitor Villa-Lobos (1940), para um público com aproximadamente 40 mil crianças, tendo sido cantadas músicas do folclore brasileiro,

Palco do show do grupo porto-riquenho “Menudo” (1985),

Palco do Desfile de Miss Rio de Janeiro (1930),

Desfile de escolas de samba do carnaval do Rio de Janeiro (1943 e 1945),

Sede de Congresso da União Nacional dos Estudantes/UNE (1935),

Missa Campal com Dom Orani Tempesta (2017),

Sede do Rio de Janeiro, na Copa América de Futebol Masculino (1949),

Um dos palcos da final da Libertadores da América (1998),

Palco do gol 1000 de Romário (2007),

Uma das sedes do futebol (masculino e feminino), nos Jogos Mundiais Militares (2011),

Centro de Treinamento das Seleções do Brasil, da Espanha e do México, durante a Copa das Confederações (2013),

Centro de Treinamento das Seleções do Uruguai, Colômbia, Equador, Argentina e Alemanha durante a Copa do Mundo da FIFA (2014),

Sede do Troféu Brasil de Atletismo (1973),

Sede do Troféu Brasil de Natação (2020), de uma etapa da Copa do Mundo de Natação (1998) e do pré-olímpico (2004),

Sede de luta de boxe e de vale tudo, inclusive uma luta de Carlson Gracie (década de 1950),

O Complexo multiesportivo de São Januário já recebeu jogos oficiais de competições de basquete, futebol, vôlei, handebol, natação, atletismo, futebol de salão, saltos ornamentais, polo aquático, nado sincronizado, dentre tantas outras modalidades esportivas.