Algumas frases e escritos famosos sobre o Vasco

“enquanto houver um coração infantil o Vasco será imortal” (Cyro Aranha, presidente da época da montagem do histórico Expresso da Vitória, grande esquadrão vascaíno).

“vestir uma camisa que já vem até com faixa de campeão é coisa de predestinado” (Nelson Piquet, tricampeão mundial de F1).

“não digo que sou vascaíno doente, pois doente é quem não é vascaíno” (Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos).

“E viva, viva o Vasco: o sofrimento há de fugir, se o ataque lavra um tento. Time, torcida, em coro, neste instante, Vamos gritar: Casaca! Ao almirante. E deixem de briga, minha gente. O pé tome a palavra: bola em frente” (Carlos Drummond de Andrade, um maiores ícones da história da literatura brasileira).

“No Brasil só existe um time, que é o Vasco da Gama” (Chacrinha, um dos maiores apresentadores e comunicadores que o Brasil já teve).

“Eu não sou Flamengo, pra mim o Flamengo é o pior time do mundo” (Chacrinha, o “velho guerreiro”).

“Ser vascaíno é ser discreto, é ser convicto da nossa superioridade, tranquilamente, sem alardes. A gente não precisa sair gritando por cima dos telhados que é Vasco – afinal, não se quer humilhar ninguém. Mas quando as vitórias se acumulam, os adversários mordem o pó e as outras bandeiras se curvam ante o pendão da cruz de malta – , aí não há modéstia que aguente, por mais pena que se tenha dos vencidos, a verdade precisa ser clamada, e temos que lançar nos ares o nosso grito de guerra. VAAAAASSSSSCO!”. (Rachel de Queiroz, primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras).

” Tomamos como armas a caravela do Navegador, a ostentar a cruz de Cristo portuguesa, enquanto corta o mar oceano; e nessa bela divisa está simbolizado inteiramente o Vasco: Portugal está todo na cruz dos navegantes, e o mar é este mar do Brasil, mar tenebroso de dantes, que os marujos portugueses souberam transformar num simples estreito, a unir, não mais a separar a ponta extrema da Europa, que são eles, à ponta extrema da América, que somos nós.”. (Rachel de Queiroz, uma das maiores escritoras da literatura brasileira de todos os tempos).

“Se for para a segunda divisão, sou Vasco. Se for para a terceira, sou Vasco. Se o Vasco acabar, ainda sou Vasco” (Aldir Blanc, músico e compositor de inúmeras canções, algumas delas expressando o seu amor pelo Vasco).

” Ser vascaíno é um sentimento em que a vitória e a derrota ficam em segundo plano, pois o que importa é jogar com raça e amor à camisa” (Aldir Blanc, músico, compositor, cronista e escriror).

” Quando eu nasci, um anjo luso desses que empurram burrinho-sem-rabo, me sacaneou: – Vai, Blanc, ser Basco na bida. Aquele pedaço do hino que diz “tua imensa torcida é bem feliz…” , aqui ó. A gente tem andado rindo um pro outro nos últimos tempos, daquele jeito sem jeito que vascaíno ri, mas sabe o que vem pela frente. É a mesma história de sempre: somos campeões, sonhamos com novas conquistas (…)” (Aldir Blanc, compositor da música “Coração verde e amarelo”, que foi bastante tocada durante a trajetória do tetracampeonato mundial da Seleção Brasileira, em 1994).