Base do Vasco, na brilhante conquista do título Sulamericano (Copa América) de Seleções de 1949 (que viria ser a base do time vice campeão do Mundial de 1950)

O Brasil estava 22 anos sem um título sulamericano, desde 1922 não experimentava o gostinho de ser campeão, que já havia conquistado também em 1919. A campanha do título do Sulamericano de 1949, disputado no Brasil, que teve São Januário como um dos estádios utilizados na competição, foi digna de cinema, do jeito que o torcedor gosta, recheada de gols, muitos gols, foram 46 gols a favor (melhor ataque) e apenas 7 sofridos (segunda melhor defesa), um saldo de 39 gols a favor, em 8 jogos disputados. Goleou quase todas as seleções que enfrentou, goleou 6 de 7 equipes, à exceção do time do Chile. Venceu a Bolívia por 10 a 1, o Equador por 9 a 1 (em São Januário), o Paraguai por 7 a 0 (em São Januário, jogo que valeu o título para o Brasil, recorde de público oficial, em uma partida de futebol, do Estádio São Januário, com a presença de 55.000 torcedores), tendo vencido ainda de goleada, durante o campeonato, o Peru por 7 a 1 (em São Januário), a Colômbia por 5 a 0 e também o Uruguai por 5 a 1 (em São Januário). Venceu ainda o Chile por 2 a 1 e perdeu um jogo, quando podia perder, para o Paraguai, por 2 a 1. A base da Seleção era do Expresso da Vitória vascaíno, Campeão do Sulamericano de 1948, disputado no Chile, literalmente uma Selevasco. Dentre os jogadores vascaínos da Seleção Brasileira estavam o goleiro Barbosa, o zagueiro Augusto, os meias Ely do Amparo e Jair Rosa Pinto (artilheiro da competição com 9 gols), o volante Danilo Alvim (conhecido como “o príncipe”), o ponta esquerda Tesourinha (vice artilheiro da competição, ao lado de Ademir de Menezes, com 7 gols) e o atacante Ademir de Menezes (“o queixada”, vice artilheiro do Torneio, com 7 gols, junto com Tesourinha). O treinador era Flávio Costa, também do Expresso da Vitória. Compunha também o elenco brasileiro jogadores como Zizinho, que chegou a jogar uma partida, em sua carreira futebolística, no Vasco da Gama. A Seleção da Argentina não disputou a competição, mas também já chegou a ser goleada no Estádio do Vasco, por 6 a 2, em partida disputada em 20/12/1945, válida pela Copa Rocca daquele ano, a maior goleada aplicada pelo Brasil na Argentina, na história do confronto, quatro anos antes do Sulamericano de 1949 vencido pela “Selevasco”.